Maio terá chuvas intensas e ondas polares; confira a previsão

quarta-feira, 29 de abril de 2020 | Geral

Abril vai terminando com pouca chuva no Centro-Sul do Brasil. O Paraná, por exemplo, registra a maior estiagem desde 1997, de acordo com o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar). Por consequência, observa-se baixo nível dos reservatórios e bacias hidrográficas, além de problemas no embarque de soja e derivados no porto de Rosário, Argentina, em função do baixo nível do rio Paraná. Os pedidos de cobertura do seguro por quebra na safra de milho do Paraná multiplicam-se.

 

A baixa umidade do solo é observada desde o Rio Grande do Sul até o Mato Grosso. Destaque para as regiões de Passo Fundo (RS), Pelotas (RS), Chapecó (SC), Francisco Beltrão (PR), Londrina (PR), Avaré (SP), Piracicaba (SP), Ribeirão Preto (SP), Uberlândia (MG), Rio Verde (GO) e Campo Verde (MT).

 

A umidade do solo baixa compromete a instalação de pastagens de inverno e trigo do Rio Grande do Sul, instalação e desenvolvimento inicial da cana-de-açúcar em São Paulo e exigindo irrigação complementar da laranja no mesmo estado. Isto sem contar com a diminuição da produtividade do milho segunda safra no centro e sul do Brasil. Por outro lado, as atividades de colheita da cana-de-açúcar, laranja e café avançam rapidamente neste momento.

 

O veranico, fenômeno mais típico em maio, apareceu mais cedo neste ano. Ele acontece pela formação de um bloqueio atmosférico. As frentes frias estão paradas na altura da Argentina e Uruguai e não deixam as ondas de frio avançarem pelo Estado.

 

Após o abril seco no centro e sul do Brasil, a entrada das primeiras ondas de frio e a intensificação dos ventos fortes em altitude trazem chuvas mais intensas em maio. De uma forma geral, as simulações européia e americana indicam o mesmo cenário com precipitações mais intensas que o normal para época do ano no Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e em partes de São Paulo e Mato Grosso do Sul. Ainda de acordo com a simulação européia, a maior parte da precipitação acontecerá na segunda quinzena de maio, período em que também há previsão de declínio mais acentuado da temperatura.

 

Por falar em temperatura, após uma primeira quinzena de abril com temperatura abaixo da média entre o Sul e Sudeste, as ondas polares chegarão com cada vez mais frequência e intensidade. Tanto que a previsão para maio é de temperaturas mais baixas que o normal em boa parte do centro e sul do Brasil.



Fonte: Canal Rural / Climatempo

Leia também

desenvolvido por goutnix.com.br