Projetos para novos poços artesianos cresce quase 170% no Paraná

sexta-feira, 11 de setembro de 2020 | Paraná

O número de perfuração de poços artesianos cresceu quase 170% em todo o Paraná, de janeiro a maio deste ano, em comparação ao mesmo período de 2019. De 389 pedidos de Anotações de Responsabilidade Técnica (ARTs) - emitidos pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR) nos cinco primeiros meses de 2019, - houve um salto para 1.049 pedidos em 2020.

 

Na área da delegacia regional do Crea-PR, de Pato Branco, que compreende 42 municípios, os números não foram tão altos quanto os do Estado, mas apresentaram crescimento robusto. Foram 162 ARTs registradas entre janeiro e junho de 2020, enquanto que no primeiro semestre do ano passado foram 114, aumento de 42%.

 

Alguns motivos

Os poços são a melhor alternativa quando há um grande consumo de água, como em indústrias, na agricultura ou em condomínios. O crescimento abrupto de número de ARTs para poços artesianos - ou poços tubulares, como também são chamados - pode ter sido provocado por uma combinação de fatores, como a previsão de estiagem no início deste ano; a facilidade e agilidade nos pedidos de outorga com a implantação do e-protocolo; o programa Água no Campo, do governo estadual, entre outras situações.

 

Número de pedidos na região cresce para os setores agro e empresarial

JdeB – A perfuração de poços artesianos deve ser averbada no Instituto de Água e Terra do Paraná (IAT) para que seus proprietários possam ter direito de uso do recurso - a outorga. Também é obrigatória a realização de análises químicas da água consumida no poço. Na região de Beltrão, número de pedidos tem crescido.

 

O chefe do escritório regional do IAT em Francisco Beltrão, Dirceu Abatti, diz que tudo passa pelo IAT. Após ser protocolado o pedido com o projeto, há o encaminhamento para diretoria hídrica do instituto, que faz a análise e concede a licença.

 

Dirceu conta que o número de pedidos de perfuração de novos poços tem sido muito grande, “principalmente por causa da estiagem do último ano”. Os pedidos vêm de empreendedores do agronegócio, para criações de aves, suínos e pecuária de leite e também pelas empresas, principalmente indústrias. O diretor do IAT estima que 50% dos pedidos é do setor do agronegócio e 50% das empresas.

 

Vem muitos pedidos de Dois Vizinhos Capanema, Barracão. Dirceu salienta que, em todos os novos empreedimentos do agronegócio, o pessoal já está solicitando a perfuração de poço de artesiano. Há o receio de que só com a água de minas ou pequenos poços não haja água suficiente para alimentar as criações.



Fonte: JORNAL DE BELTRÃO

Leia também

desenvolvido por goutnix.com.br